Mulheres na História: uma discussão em sala de aula

Publicado por Caroline Dähne em

Com a aproximação do dia das mulheres aumentam as campanhas publicitárias que destacam nosso papel na sociedade. Mas, ao longo do ano em sua maioria, as propagandas querem nos vender produtos para sermos mais bonitas e para deixarmos nossas casas e roupas mais perfumadas. 

Quando, no decorrer do ano, as mulheres são protagonistas de comerciais, em sua maioria o empoderamento de propaganda só deseja uma coisa: empoderar para o consumo. É a chamada “taxa rosa” que faz com que mulheres paguem cerca de 12% a mais nos produtos ditos femininos, mas que na maioria das vezes só difere dos produtos masculinos pela cor ou estampa de flores.

Apropriada pelo comércio, a data do dia 08 de março, se transformou num dia para que as mulheres recebam flores, bombons ou amostras grátis de batom, quando na verdade o que mais queremos é o reconhecimento da nossa importância na sociedade, a igualdade de oportunidades e o respeito do gênero oposto.

Post para o instagram com o título do texto: Mulheres na História.

Em sala de aula

Certamente o ensino de História não consiste apenas em passar para o aluno as causas e consequências de um acontecimento em específico. Já faz tempo que a aula de história era voltada para a “decoreba” de datas, nomes e fatos.

A Escola dos Annales e a Nova História em meados do século XX não só influenciaram a pesquisa e a historiografia, como também, com o passar do tempo suas reflexões atingiram o currículo escolar. O qual vem desde o final do século XX e início do XXI se adequando para uma perspectiva mais abrangente.

Nessa perspectiva, precisamos olhar para os sujeitos históricos que ficaram marginalizados na pesquisa da historiografia positivista e perceber como eles contribuíram para a formação da nossa sociedade.

Ensino de História

Academicamente esse cenário vem mudando, nos últimos anos as pesquisas que incluem a participação feminina nos processos históricos estão aumentando e muito. Inclusive com a organização de eventos específicos para discutir pesquisas na área.

Mas e em sala de aula? Muitas vezes os professores estão presos à um currículo escolar ou livros didáticos, que por mais que já tenham passado por diversas modificações que buscam incluir a mulher, o indígena e o negro no ensino de História, ainda não dão conta de superar essa marginalização e incluir uma perspectiva humana plural.

Nesse sentido, sabemos que existem professoras e professores que buscam ultrapassar as barreiras de um conteúdo programático fechado e de livros que só tratam sobre essas perspectivas nas páginas dedicadas à conteúdos especiais. No entanto, a maioria dessas iniciativas são individuais e isoladas.

Então, se a educação básica no Brasil é uma prática de docência predominantemente feminina, como apontam Fófano, Silva, Fófano e Júnior (2018), cabe a nós professoras mudarmos esse cenário de estereótipos e invisibilidade das mulheres na aula de História. 

Mulheres na História = Todo dia!

Se os professores só demonstram no mês de março a contribuição das mulheres para a nossa cultura e a influência delas na história, temos um problema. 

É indiscutível a necessidade de se debater sobre a história feminina no Dia Internacional da Mulher, mas não adianta adequar o seu planejamento para uma única data no ano achando que ao cumprir uma agenda politicamente correta estará fazendo a diferença.

Assim como eu já disse por aqui em um texto sobre a Consciência Negra. Não se trata de trabalhar essa presença na nossa história de maneira isolada. Nossa população é de maioria feminina 51,7% (IBGE, 2018), o que, naturalmente, pressupõe que nossa história é marcada pela sua presença.

Gráfico sobre a divisão da população brasileira por sexo, feito pelo IBGE Educa em 2018.
Gráfico sobre a população brasileira.
IBGE Educa, 2018.

Dessa forma, é necessário tratar do assunto com naturalidade, demonstrando que essa presença é marcante na formação do nosso povo, da nossa história e da nossa cultura durante o ano todo!

Como incluir a história das mulheres no dia a dia escolar?

Pequenas ações podem fazer toda a diferença, principalmente no Ensino Médio que estamos levando materiais para análise em sala de aula todo o tempo. Uma sugestão é procurar levar materiais produzidos por mulheres, sejam imagens, músicas ou textos para análise.

Não significa que você deixará de levar para sala de aula materiais de análise produzidos por homens, mas sim que se preocupará em procurar também por produções femininas. A aula ficará ainda mais rica, ao possibilitar dois pontos de vista na atividade e ao demonstrar que as mulheres também estavam desenvolvendo atividades ligadas à escrita e arte no período estudado.

Outra opção é mostrar a participação feminina em diversos períodos da história, salientar o que elas estavam fazendo naquele momento, quais eram as possibilidades para o nosso gênero, quais dificuldades elas enfrentavam e quais as resistências que elas criavam diante das mais diversas situações. 

Dessa forma, evitando tratar sobre o tema somente em datas específicas e optando por trabalhar diariamente nas aulas de história estaremos mostrando que as mulheres contribuíram na construção da nossa sociedade, tal qual é hoje. E os alunos perceberão como certas atividades e espaços nos foram negados ao longo do tempo.

Materiais sobre a História das mulheres

A necessidade de levar materiais complementares para a sala de aula se mostra, principalmente, quando olhamos para os livros didáticos de História e percebemos que há quase uma ausência das mulheres.

Ou, quando elas aparecem, geralmente estão nas partes das temáticas especiais e não no decorrer do conteúdo. Conforme demonstrado no gráfico abaixo:

gráfico sobre a aparição das mulheres nos livros didáticos de História.
A Ladainha do Homem Branco: Indústria de livros didáticos no Brasil e a reprodução de velhos cânones (Giovana Sanchez)
Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/16097/como-abordar-a-historia-das-mulheres-durante-todo-o-ano

Dia das mulheres na escola

Isso significa que devemos parar com as ações escolares no dia das mulheres? Não!

A data ainda se mostra importante, principalmente no atual cenário que se encontra a sociedade brasileira. Ela pode ser uma oportunidade para que os professores dediquem uma aula exclusivamente para realizar uma atividade diferente sobre a História das Mulheres, aproveitando o destaque dado à data. 

Lembrando que essas iniciativas só serão completamente válidas, quando aliadas a um ensino de História plural ao longo de todo o ano. 

Mas como então trabalhar essa data na escola? Comece conversando com a turma sobre a origem da data, questione o que os alunos já sabem sobre ela, como ela é celebrada, veja as opiniões deles sobre para que serve esse dia.

A partir disso, com o levantamento das opiniões, dúvidas e saberes dos alunos, explique o motivo e a importância da data para além da perspectiva comercial. 

História das Mulheres- Sugestões de atividades:

Aula temática: Descobrindo mulheres inspiradoras
Primeiro passo:

Inicie a aula sem falar qual será o tema, para que os alunos respondam as questões sem saber que haverá um direcionamento para a História das Mulheres. Nesse primeiro momento solicite que eles digam nomes de cientistas, governantes, esportistas, etc. Se preocupe em escolher ocupações que o plural englobe ambos os gêneros. 

Escreva no quadro os nomes que os alunos falarem, quando tiver em torno de 10 nomes escritos, continue a atividade de maneira expositiva analisando quais foram as pessoas faladas por eles. Se a maioria for homens, questione o motivo de aparecerem poucas mulheres. Se acontecer o contrário, fale sobre como apenas atualmente seria possível esse tipo de resposta.

Segundo passo:

Em seguida, passe o vídeo da socióloga Maria Lygia Quartim de Moraes sobre a Invisibilização das mulheres na história.

Após assistir o vídeo questione os alunos:

Quais motivos fizeram com que as mulheres ficassem por tanto tempo marginalizadas na História?

Terceiro passo:

Após a retomada dos questionamentos com os alunos, está na hora de “botar a mão na massa”. Para essa atividade é importante que os professores tenham em mãos: papel colorido, canetinhas, folhas sulfites, revistas ou opção de imprimir imagens.

Divida os alunos em duplas ou grupos e solicite que eles escolham uma mulher que fez diferença na história, independente do período histórico ou lugar. Essa mulher pode ser de áreas como: ciência, arte, esporte, tecnologia, governo, guerra, movimentos revolucionários, educadoras, enfim, escolha áreas que possam despertar o interesse dos alunos.

Saliente também, que a mulher escolhida pode ser inclusive alguém da família deles, mesmo que ela não se encaixe nas áreas pré-estabelecidas. Como todas nós somos sujeitos históricos, independente da profissão ou do não exercício de atividade laboral, todas podemos ser inspiradoras para eles.

Quarto passo:

Após feita a seleção da mulher que os inspira, é hora da pesquisa sobre a vida dela. oriente para que eles pesquisem dados como: local e data de nascimento; características e curiosidades da vida dela; coisas que ela criou, fez ou falou; desafios que ela enfrentou; no que essa mulher acreditava e o que ela defendia.

Quinto passo:

Após a realização da pesquisa, solicite que os alunos elaborem uma biografia da mulher que eles escolheram. Para isso, utilizando o material separado para a atividade, eles deverão montar um cartaz, contendo uma imagem que represente essa mulher (pode ser inclusive desenho) e com as informações levantadas por eles na pesquisa.

Esse cartaz pode ser feito seguindo um modelo pré-determinado pelos professores, ou livremente com o design que cada grupo/dupla escolher. O importante é que eles tragam as informações da pesquisa.

Sexto passo:

Com as atividades prontas, os professores juntamente com a turma, podem elaborar uma exposição das biografias, colando elas na parede da sala de aula ou no corredor da escola. Cabe ao professor daí, elaborar o título da exposição para colar antes das atividades. 

É interessante, após terminar de organizar a exposição, fazer com que os alunos circulem pelo corredor/parede e vejam as biografias criadas pelos outros grupos. Inclusive abrindo a exposição para outras turmas da escola.

História das Mulheres- Outras possibilidades:

Gostou da sugestão de atividade? Ficou interessada em outras possibilidades de abordagens da história das mulheres em sala de aula? Nós temos outras sugestões que podem te ajudar a elaborar uma aula bacana para esse dia, ou até mesmo para incluir essa discussão diariamente em sala de aula.

Nesse texto, nós colocamos algumas sugestões de bibliografia para leitura sobre o tema:

Quer falar sobre a questão do feminicídio na sociedade atual? Nós temos sugestões nesse plano de aula:

Ainda sobre a atual realidade violenta que nós brasileiras enfrentamos, temos o seguinte plano de aula que usa músicas para discutir o papel da mulher na sociedade:

Quer utilizar séries e literatura para analisar como regimes autoritários tendem a tratar a mulher em suas sociedades? Temos esses especiais sobre a série The Handmaid’s Tale. Só lembramos que devido ao seu conteúdo e sua classificação indicativa, ela não é recomendada para o uso na Educação Básica.

História das Mulheres na educação

Diante de tudo já dito acima, queremos ressaltar mais uma vez a importância de retomar a participação feminina ao longo da história em nossas aulas. Independente do material que os professores utilizem para a análise, o importante é que essa discussão seja frequente ao longo dos conteúdos trabalhados em sala.

Juntas e juntos podemos contribuir com o debate em sala de aula para a construção de uma sociedade que reconhece e valoriza a História das Mulheres.

Referências Bibliográficas:

FÓFANO, Érica; GARCIA, Jussara; FÓFANO, Clodoaldo; JÚNIOR, Paulo dos Santos. A ausência da mulher no ensino de História. Destaques acadêmicos, Lajeado, v. 10, n. 2, p. 117-123, 2018. 


Caroline Dähne

Mestre em História, Cultura e Identidades e graduada em Licenciatura em História pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Desenvolve pesquisas relacionadas a Segunda Guerra Mundial, Discursos jornalísticos, Patriotismo e Nacionalismo, Imprensa brasileira e Propagandas de guerra. Atualmente atua como professora de História na rede particular de ensino na cidade de Curitiba-PR.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *