Morretes PR: Viagem + História

Publicado por Caroline Dähne em

Certamente, um dos passeios muito famosos para quem vem para Curitiba é a descida de Trem para a cidade de Morretes na região litorânea do estado do Paraná. Dessa forma, essa também pode ser uma ótima opção para quem está programando sua viagem de férias e vai passar pelo estado.

Ferrovia

A ferrovia que liga Curitiba a Morretes foi inaugurada em 1885 pela Princesa Isabel, e visava naquele período realizar o escoamento da erva-mate, principal produto produzido no estado. Dessa forma o transporte do produto estaria sendo feito entre o interior do estado e o litoral, facilitando a exportação através de Paranaguá.

Mapa - Caminhos da estrada de ferro no Paraná
Mapa ferroviário
Livro: As Montanhas do Marumbi
Disponível em: https://especiais.gazetadopovo.com.br/ferrovia-130-anos/

Morretes: turismo ferroviário no Paraná

Primeiramente, para o passeio de trem através da ferrovia que liga Curitiba a Morretes, é necessário comprar o ingresso que pode ser adquirido no site da empresa Serra Verde Express ou direto nos guichês da empresa na Rodoferroviária de Curitiba.

Os valores, que podem ser parcelados, variam conforme o vagão escolhido, existem opções mais simples até a luxuosa, que podem ter acrescentado guia, comida, transfers para retorno a Curitiba, até open bar em vagões temáticos esporádicos.

Nesse sentido, o trajeto tem cerca de 70 km e a viagem dura em média 4h15 passando pela Serra do Mar e por diversas pontes e túneis. O embarque é feito na rodoferroviária de Curitiba, todos os dias as 8h15.

Mais informações pelo telefone 41 3888-3488.

Fotografia no trem em direção a Morretes.
Passeio de Trem: Curitiba a Morretes
Arquivo Pessoal, 2016.

Dica:

Assim, minha sugestão é o que passeio de trem seja feito apenas na ida para Morretes e, de lá você retorne de van ou ônibus. Isso porque, a viagem de trem é bastante demorada e não tem diferença de caminho entre ida e volta.

Nesse sentido, outra dica é sentar-se do lado esquerdo do trem para observar as melhores paisagens, quando o trem está mais vazio é fácil se locomover de um lado para o outro vendo os atrativos, mas com muita gente fica complicado e você acaba perdendo algumas vistas.

A cidade de Morretes

Então fundada em 1733, a cidade de Morretes fica localizada entre a Serra do Mar e o Litoral paranaense, tendo uma população de menos de 20 mil habitantes.

Assim, antes da sua fundação oficial, foi rota de passagem dos povos indígenas que habitavam a região e, a partir de 1646, caminho de mineradores e aventureiros. No século XIX foi importante entreposto comercial entre o litoral e as outras cidades paranaenses.

Além o passeio de trem, o que tem para fazer em Morretes?

A cidade, embora pequena, oferece diversas possibilidades aos visitantes, entre elas:

Gastronomia

Certamente, não tem como ir a Morretes e não experimentar o famoso prato do Barreado. Dessa forma, diversos restaurantes da cidade servem a iguaria juntamente com frutos do mar e peixes.

Assim, o prato típico, de origem açoriana, consiste no cozimento de carne com temperos em panelas de barro lacradas com farinha no fogo alto por cerca de 12 horas. Enfim, depois de pronto, o barreado é misturado com farinha de mandioca, até criar a consistência que não o derruba do prato, e servido com banana da terra.

História

Certamente caminhar pelo Cetro Histórico de Morretes é perceber a influência da arquitetura colonial na construção dos casarões que hoje abrigam, em sua maioria, o comércio da cidade. Entre esses casarões está a casa de Rocha Pombo, jornalista, professor e historiador paranaense, nascido na cidade.

Comércio

Nos finais de semana, no centro histórico de Morretes, acontece a tradicional feirinha dos produtores da região, onde é possível encontrar diversos tipos de artesanato, bem como produtos típicos como a bala de banana e as polpas de maracujá.

Ecoturismo

Para quem gosta de atividades ao ar livre, a cidade é repleta de opções relacionadas ao meio ambiente.

Montagem de fotos de Morretes.
Fotos de Morretes
Arquivo Pessoal, 2018.
Estrada da Serra da Graciosa

O caminho da rodovia PR-410, que foi anteriormente utilizado pelos indígenas, mineradores, jesuítas e tropeiros passou a ser transformado em estrada em 1854 quando a Província do Paraná teve a sua emancipação.

A conclusão das obras só ocorreu em 1873 e passou a ser importante caminho para realizar o escoamento das produções agrícolas feitas no interior do estado até os portos de Paranaguá e Antonina.

Em 1993, a Estrada da Graciosa foi declarada pela UNESCO como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, já que, possui o trecho mais preservado do Brasil.

Certamente a natureza exuberante é o principal atrativo para quem decide descer de carro, moto ou bicicleta esse trajeto. Nesse sentido, nos seus 30 km existem cerca de sete paradas, entre mirantes, recantos e churrasqueiras, com uma vista deslumbrante da Serra da Graciosa.

Rio Nhundiaquara

O rio que corta a cidade de Morretes e acompanha a lateral da Estrada da Graciosa, possibilita ao turista diversos tipos de atividade em contato com a natureza.

Certamente a mais famosa é a prática do Boia Cross, que é feita a partir de Porto de Cima, que fica cerca de 6 km do centro da cidade. Nesse sentido, para realizar a atividade, é necessário alugar a boia, que em média custa 25 reais com o deslocamento até lá.

Ekôa Parque

Um parque de iniciativa privada inaugurado em 2018 que possui cerca de 238 hectares de Floresta Amazônica. Nesse espaço é possível realizar diversos tipos de atividades ao ar livre além das trilhas, como arvorismo, tirolesa, rapel e passeio de balão, que são cobrados separadamente.

O parque funciona aos sábados, domingos e feriados. Mais informações no telefone 41 3462-4136.

Parque Estadual Pico do Marumbi

Certamente uma das opções de ecoturismo mais famosas na região é o Conjunto Marumbi, que reúne nove picos numa cadeia de montanhas bastante frequentado por montanhistas.

Montanhas que formam o Conjunto Marumbi.
COSMO.
Disponível em: https://sites.google.com/a/cosmo.org.br/cosmo/oparque

O parque foi criado em 1990 e inaugurado em 1995, é considerado a maior unidade de conservação aberta ao público do Paraná. Além disso foi considerado pela Unesco como Reserva da Biosfera e Patrimônio da Humanidade.

Nesse sentido, o parque funciona de terça a domingo das 08h às 17h e oferece diversas oportunidades de trilhas e escaladas, que variam nos graus de dificuldade.

Mais informações no telefone 41 3462-2954.

Viagem + História

E você, quando viaja costuma reparar na história dos lugares que está conhecendo?

Dessa forma, continuando com o nosso especial de férias, nas próximas semanas traremos mais sugestões de lugares históricos para você visitar nas suas viagens pelo Brasil.

Referências Bibliográficas:

ANTONELLI, Diego; SANTOS, Leandro Luiz. Ferrovia 130 anos. Gazeta do Povo, 2015.

CASA DA ESTAÇÃO. História de Morretes.

COSMO. O Marumbi.

Ekôa Park. Encontre sua natureza.

IAP. Parque Estadual pico do Marumbi.


Caroline Dähne

Mestre em História, Cultura e Identidades e graduada em Licenciatura em História pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Desenvolve pesquisas relacionadas a Segunda Guerra Mundial, Discursos jornalísticos, Patriotismo e Nacionalismo, Imprensa brasileira e Propagandas de guerra. Atualmente atua como professora de História na rede particular de ensino na cidade de Curitiba-PR.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *