Game of Thrones: Inspirações Históricas 

Publicado por Caroline Dähne em

Com a aproximação do mês de abril e da oitava temporada de Game of Thrones, a perspectiva de finalmente o slogan “Winter is coming” se concretizar, vem criando um clima de ansiedade nos fãs da série de Tv. 

Logo, a série baseada nos livros “As Crônicas de Gelo e Fogo”, escritas pelo autor norte-americano George R. R. Martin desde o início da década de 1990, bate, constantemente, recordes em premiações e no número de vendas.

Números de Game of Thrones:
Infográfico com os número de premiações e vendas dos livros e da série Game of Thrones.

As Crônicas de Gelo e Fogo

Em síntese, o enredo que permeia os livros e a série, se passa principalmente em Westeros, o continente que reúne os Sete Reinos em uma administração monárquica.

Além desse continente, Martin também criou Essos e Sothoryos, que possuem características históricas e geográficas específicas.

Trono:

Nesse sentido, a maior parte da trama se dá pela disputa pelo trono de ferro, de onde o monarca que vencesse governaria todos os Sete Reinos.

Dessa forma, diante disso, famílias de diversos lugares de Westeros se envolvem em batalhas e conspirações para atingir seus objetivos.

Ademais, tudo isso é regado por inúmeras cenas de guerra, dragões, intrigas, magia e estações do ano que duram até mesmo décadas.

Realidade X Ficção Fantástica

Contudo, já ouvi pessoas falando que a série se passa na Idade Média. Embora alguns elementos do período serviram de inspiração para o autor, é importante desconstruir essa imagem, senão, daqui a pouco teremos pessoas que vão acreditar que realmente existiam dragões no medievo.

Nesse sentido, o próprio autor dos livros revelou em várias entrevistas que se inspirou em costumes e conflitos medievais para a criação do seu romance.

Mas, do mesmo modo, outro fator que colaborou para a criação da história foi a influência das mitologias nórdica e celta, bem como, as obras de autores de ficção fantástica, especialmente J.R.R. Tolkien.

Inspirações

Assim, é importante lembrar que embora Martin tenha se inspirado em passagens históricas, seu gênero literário é a ficção fantástica, ou seja, o enredo também é permeado por elementos mágicos.

Por exemplo, a própria geografia dos Sete Reinos, embora inspirada em algumas regiões europeias, não segue exatamente o nosso mapa mundi.

Game of Thrones em sala de aula

Post do instagram com o título da postagem: Game of Thrones- Inspiração Histórica.

Certamente, tanto o livro quanto a série podem ser amplamente utilizados nas aulas de história como recursos pedagógicos. 

Nesse sentido, primeiramente, o professor tem que se atentar a classificação indicativa de ambos, já que, por conter algumas cenas de nudez e violência, são apropriados apenas para maiores de 16 anos.

Recurso pedagógico:

É evidente que, as cenas da série ou trechos do livro não podem ser utilizados de maneira leviana, apenas para ilustrar o conteúdo ou distrair os alunos.

Logo, quando nos propomos a utilizar elementos de literatura fantástica como material de análise é importante criar estratégias para uma visão crítica dos elementos midiáticos presentes no cotidiano dos alunos. 

Idade Média X Game of Thrones

Inegavelmente, a Idade Média é pop. Assim como, é uma das temáticas de história que mais permeia o senso comum, sendo cada vez mais utilizada em filmes, jogos e literatura de ficção.

Como resultado, o imaginário dos alunos vem permeado por essas concepções e é nosso papel em sala de aula desconstruí-lo.

Portanto, de acordo com Rosa, Masi e Pereira (2015), aquela Idade Média que tradicionalmente era trabalhada nas escolas cheia de generalizações e preconceitos, característica da tradição iluminista que buscava depreciar o período relacionando-o com as trevas, ainda precisa ser superada por alguns professores.

Nesse sentido, por mais que a revisão acadêmica das últimas décadas, através da Escola dos Annales e da Nova História, tenha substituído essa imagem por uma análise não anacrônica, a Idade Média imaginada pelos livros, séries, filmes, músicas e jogos ainda compõe o imaginário dos alunos.

Uso Didático:

Assim, cabe então, a nós professores, percebermos a oportunidade de utilizar o atrativo vinculado a essa noção de senso comum e transformá-lo em conceito através do uso didático dessas mídias. 

Nesse sentido, nas próximas semanas traremos outras opções de temas de história que podem ser trabalhados em sala de aula a partir de Game of Thrones.

Referências Bibliográficas

Série Game of Thrones. Emissora: HBO. 2011- 2017.

LOWDER, James. (Org.). Além da Muralha: Explorando o universo de As Crônicas de Gelo e Fogo de George R. R. Martin. São Paulo: Leya, 2015.

ROSA, Bruno Chepp; MASI, Guilherme Nicolini Pires; PEREIRA, Nilton Mullet. O potencial pedagógico da Idade Média Imagindada. Revista do Lhiste. Porto Alegre, RS. Vol, 2, n.3 (jul./dez. 2015), 948-968.

As Crônicas de Gelo e Fogo:

MARTIN, George R. R.  A Guerra dos Tronos. São Paulo: Leya, 2015.

MARTIN, George R. R.  A fúria dos reis. São Paulo: Leya, 2011.

MARTIN, George R. R.  A tormenta de espadas. São Paulo: Leya, 2011.

MARTIN, George R. R.  O festim dos corvos. São Paulo: Leya, 2012.

MARTIN, George R. R.  A Dança dos Dragões. São Paulo: Leya, 2012.

MARTIN, George R. R.  O cavaleiro dos Sete Reinos. São Paulo: Leya, 2014.

 Usou alguma das nossas dicas em sala de aula? Conta pra gente nos comentários ;)
*As imagens, vídeos e trechos
são aqui reproduzidos para fins pedagógicos. 

Caroline Dähne

Mestre em História, Cultura e Identidades e graduada em Licenciatura em História pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Desenvolve pesquisas relacionadas a Segunda Guerra Mundial, Discursos jornalísticos, Patriotismo e Nacionalismo, Imprensa brasileira e Propagandas de guerra. Atualmente atua como professora de História na rede particular de ensino na cidade de Curitiba-PR.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *